terça-feira, 21 de março de 2017

Mesmo distante não estás longe

Mesmo distante não estás longe; 
Pois te levo na memória. 
Mesmo desacompanhado não estou só. 
Pois te trago comigo, dentro de mim. 
Mesmo no silêncio, sempre te ouço. 
No bater do meu coração, que é teu... 
Sempre teu. 

Mas acabou... 
Tenho que seguir na estrada da vida sem você. 
Carrego na mala apenas as lembranças alegres. 
Deixo a poeira das tristezas. 
Levo em mim, apenas a saudade. 

No vazio da última tentação, 
Estará o último refugio. 
Na sólida decisão de por um fim; 
Encontra-se a dúvida do futuro 
O emaranhado de sensações que 
causam diferentes reações. 
Caiu a última lágrima do amor 
Que já não é mais amor. 

Quem sabe algum dia 
nossas estradas se cruzem. 
Se estivesse aqui, agora. 
Já não diria: Eu te amo. 
Mas, Adeus...
Alguém disse