segunda-feira, 9 de abril de 2018

Almas Perfumadas



Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta. 
De sol quando acorda. 
De flor quando ri. 
Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede 
que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda. 
Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça, 
melando os dedos com algodão-doce da cor mais doce 
que tem pra escolher. 
O tempo é outro e a vida fica com a cara que ela tem 
de verdade, mas que a gente desaprende de ver. 
Tem gente que tem cheiro de banho de mar 
quando a água é quente e o céu é azul. 
Ao lado delas, a gente se sente chegando em 
casa e trocando o salto pelo chinelo. 
Ao lado delas, pode ser abril, mas parece manhã 
de Natal do tempo em que a gente acordava 
e encontrava o presente do Papai Noel. 
Ao lado delas, a gente não acha que 
o amor é possível, a gente tem certeza.
Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa. 
Do brinquedo que a gente não largava. 
De passeio no jardim. 
Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade
 é um perfume que vem de dentro e que a atração 
que realmente nos move não passa só pelo corpo.
Corre em outras veias. 
Pulsa em outro lugar.
Ana Jácomo